Da terra de Monteiro Lobato fui visitar a terra de Frei Galvão. Guaratinguetá, a 4ª maior cidade do Vale do Paraíba, também teve a honra de receber a visita de d. Pedro II e da Princesa Isabel no século XIX. Naquela época, Guará era uma das mais importantes economias cafeeiras da região e da província de São Paulo, concorrendo diretamente com Taubaté, Pindamonhangaba e Bananal.

Anteriormente consultei basicamente dois trabalhos sobre a histórica da cidade:

  1. MOURA, Carlos Eugênio Marcondes de. O Visconde de Guaratinguetá: Um Titular do Café no Vale do Paraíba. São Paulo, Studio Nobel, 2002.
  2. CAMARGO, Conceição Borges Ribeiro. Passagem da Princesa Isabel em Guaratinguetá e Aparecida. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Paulista, São Paulo, 67:291-95, 1970.

O livros sobre o Visconde de Guaratinguetá me ajudou imensamente. Há um capítulo dedicado às visitas de d. Pedro II e da Princesa Isabel em Guará. A pesquisa realizada pelo Carlos Eugênio é extensa e muito bem fundamentada. Ele cita todas as fontes, arquivos, conjuntos documentais e acrescenta comentários de outros autores e documentos sobre determinado assunto. Um trabalho profissional. Esse livro pode ser comprado em qualquer loja online ou livraria. Recomendo!

Com base nas informações obtidas, fui à campo. Visitei o Museu Frei Galvão, onde localiza-se o Arquivo Memória de Guaratinguetá. Muita gente se engana, achando que ali estão as relíquias do primeiro santo brasileiro. O museu só leva o nome do filho mais famoso da cidade, mas não expõe seus pertences. Ali funciona um museu dedicado à história da cidade de Guaratinguetá.

Fui muito bem recebido pela Ana e pela Alice, bibliotecária responsável pelo Arquivo. Thereza Maia, maior especialista sobre a história do Vale do Paraíba é quem coordena as atividades do Arquivo, mas infelizmente ela estava na FLIP, em Paraty, quando fui lá. Não tive a honra de conhecê-la pessoalmente desta vez.

Passei dois dias no Arquivo. pesquisei nos raros jornais que ainda sobrevivem. Há algumas edições, de alguns poucos anos relativos ao período que estou estudando. Mesmo assim, encontrei bastante informação sobre a primeira visita de um membro da família Imperial brasileira ao Vale do Paraíba. Em 1868, a Princesa Isabel foi à Minas Gerais banhar-se nas águas termais de Caxambú e Lambari. Aliás, conheci no Simpósio Nacional de História uma colega historiadora que está estudando essa viagem da Princesa por Minas Gerais. Bom, quando ela e o Conde D’Eu saíram de Minas, se dirigiram á São Paulo. O objetivo era visitar a capital da província e as cidades da região de Campinas, porém um chamado da Corte interrompeu a visita da Princesa. Era a Guerra do Paraguai que chamava pelo Conde D’Eu. Os dois foram apenas até Taubaté, interromperam a viagem e regressaram à Corte. Sorte para minha pesquisa.

Pude perceber na documentação, principalmente nos jornais, que essa visita da Princesa Isabel foi marcada por misticismo e lendas. A Princesa era muito devota de Nossa Senhora Aparecida e aproveitou sua viagem para visitar a capela da santa. Aparecida na época era pertencente à Guará. Em sua estada na cidade, visitou por duas vezes a capela. Foi o bastante para surgirem as mais mirabolantes histórias que iam desde libertação de escravos até eventos sobrenaturais. Há dois fatos envolvendo a Princesa Isabel que vale à pena mencionar.

O primeiro realmente aconteceu e foi relatado pelo jornal “O Parahyba”. Um guarda nacional foi preso na cidade de Lorena pelo autoritário delegado daquela cidade. Ao invés de enviá-lo em liberdade para São Paulo, como deveria fazer, mandou acorrentá-lo e ir debaixo de forte temporal. Quando o guarda nacional passou pela capela de Nsa. Sra. Aparecida, pediu para parar e rezar para a santa. Neste exato momento, a comitiva da Princesa Isabel e do Conde D’Eu chegaram à capela. O pobre do guarda se jogou aos pés da Princesa e rogou-lhe clemência. No mesmo momento, a Princesa solicitou ao Conde D’Eu que ordenasse a libertação do presidiário. Daí para o acontecimento virar milagre foi um pulo.

O segundo relato que trago para vocês trata-se de uma especulação que nunca foi comprovada. Nessa primeira visita da Princesa, corre a história de que ela pediu intercessão da santa para que ela engravidasse de um varão, herdeiro do Império. Ao que parece, ela vinha tendo dificuldades em engravidar, o que justificava sua viagem para se tratar nas águas termais de Minas Gerais. Junto à solicitação da graça, a Princesa Isabel doou um manto azul real com 21 pedras preciosas: mesmo manto que veste a imagem da padroeira do Brasil. 16 anos depois, em 1884, a Princesa voltou à capela de Nossa Senhora Aparecida, com seu marido e seus 3 filhos, para agradecer a graça alcançada. Deixou de presente uma coroa de ouro para ser colocada na imagem da santa. Dizem que, como o costume manda, a Princesa varreu toda a capela e colocou um pouco da poeira dentro de seu corpete.

Difícil saber o que é verdade e o que é criação do imaginário popular. Mas, o que mais importa para o meu trabalho é justamente analisar o motivo que levou essas pessoas a criar uma imagem de quase santa para a Princesa Imperial. Que fascínio a imagem da “Redentora” causava naquelas pessoas para acreditarem que ela simbolizava um elo entre Nossa Senhora Aparecida e o povo brasileiro comum? Perguntas que aos poucos vou encontrando respostas.

Anúncios