Museu Major Novais: decadência e descaso

2 Comentários

Olá amigos,

Ultimamente anda bem difícil escrever aqui no blog por conta do meu tempo estar cada vez mais escasso. Final de ano todos sabem como é corrido, ainda mais quando se está no final do curso, com inúmeras preocupações dentro e fora da faculdade. Tenho dedicado meu tempo para escrever minha monografia. Trago a boa notícia de que já estão escritos 2 capítulos. O primeiro dedica-se basicamente à explicação das origens sagradas da realeza, buscando identificar como e quando surgiu esse caráter místico que envolve o poder monárquico. O segundo capítulo trato do caso brasileiro, explicando suas origens portuguesas e francesas e as formas que a monarquia brasileira encontrou para legitimar seu poder.

Bom, o terceiro capítulo será a grande descrição das tantas viagens desse nosso “monarca itinerante”. E para isso, visitei o Rio de Janeiro como já relatei aqui e rodei todo o Vale do Paraíba. Hoje mesmo estive no Arquivo do Estado de SP, onde acredito ser minha última etapa de pesquisa.

Voltando aos casos dessas minha pitorescas viagens pelos Arquivos, Museus e Bibliotecas, quero relatar o ponto mais baixo de toda minha pesquisa.

Na busca pelos documentos e jornais que relatassem as visitas do Imperador e de sua filha pelo Vale Histórico fui até Cruzeiro, no Museu Major Novais. Já havia lido pela Internet que o Museu está em estado deplorável de conservação, mas não imaginava tanto. Ao chegar lá, pude ver o que Monteiro Lobato relatou em seu livro “Cidades Mortas”: a decadência do período áureo das cidades do Vale. Pensar que o casarão imponente do poderoso Major Novais, dono de grande parte das terras de Cruzeiro e que, graças a sua proximidade com d. Pedro II, conseguiu trazer para suas terras o entroncamento da ferrovia “Minas and Rio” com a “Pedro II”, dando origem ao povoado, depois vila e hoje cidade de Cruzeiro, estaria nesta situação. Tudo está por cair, madeiramento podre, portas tortas, assoalho carcomido, cômodos sem luz e ventilação. E dentro de tudo isso está o maior conjunto documental do Vale do Paraíba.

Lá dentro, em um cômodo escuro, úmido e sujo estão estantes e mais estantes de documentos cartorários e judiciais das cidades de Cruzeiro, Bananal, São José do Barreiro, Silveiras e Queluz. Tudo pôsto em pastas, obedecendo ao mínimo de organização que exige-se a um arquivo. Em outro cômodo, sem luz, encontra-se muitas caixas de papelão com diversos documentos, entre inventários, escrituras e jornais. Nessas caixas, escondidas num canto, Heloisa e eu achamos os jornais das cidades que pesquiso. Grande parte eram jornais de Bananal, mas todos do período republicano. Os jornais do período do Império do Brasil se perderam com o tempo.

Museu Major Novais

Outro ponto que me incomodou muito no Museu Major Novais foi o atendimento. De manhã fica uma senhora com boa vontade, mas sem conhecimento algum sobre o arquivo e seus documentos. O lado bom foi que ela liberou o arquivo para pudéssemos “fuçar” à vontade em todas as caixas. Agora à tarde, estava presente o responsável pelo Museu, professor Carlos Felipe. Ao contrário da senhora, ele conhece bastante o arquivo, mas não tem disposição alguma de ajudar. Aliás, no alto de seu ego, mais atrapalha do que ajuda, criticando a tudo e a todos, menosprezando o trabalho dos outros e indicando caminhos perigosos para um pesquisador leigo. Enfim, o atendimento do Museu Major Novais é tão precário quanto à estrutura de seu prédio.

Não encontrei muita informação que me ajudasse a desvendar onde d. Pedro II e sua filha teriam se hospedado, quando e o que fizeram em suas passagens pelo Vale  Histórico. Alguns textos informam que foram várias as passagens dos monarcas por Areias e Bananal. Mas, “várias” é muito relativo. Tenho as seguintes informações fragmentadas abaixo:

– Bananal: d. Pedro II hospedou-se por 2 vezes na Fazenda Resgate.

– Areias: d. Pedro II e a Princesa Isabel participaram várias vezes de saraus e bailes com os nobres do café, hospedando-se no Hotel Sant’anna. Em 1888, a Princesa Isabel teria dado uma festa em comemoração à abolição da escravidão.

– São José do Barreiro: em 1874, o Conde D’Eu hospedou-se na Fazenda São Miguel, do comendador Luis Ferreira de Souza Leal, para caçadas com nobres da corte.

Fazenda Resgate - Bananal

Em Cruzeiro, as informações parecem mais claras, mesmo assim ainda não possuo confirmações mais fidedignas do que relatos pessoais e “causos” contados pela população e escritos em um dos livros da “Coleção Cadernos Culturais do Vale do Paraíba”. Lá consta que o Imperador teria passado 3 vezes por Cruzeiro.

– 1882: em visita às obras do Túnel Grande da Serra da Mantiqueira, na estrada de ferro que ligaria Três Corações (MG) a Cruzeiro (SP). Nesta visita ficou hospedado na residência dos engenheiros no Morro dos Ingleses, em Cruzeiro.

– 1883: uma possível visita para inspeção final na estrada de ferro

– 1884: a 14 ou 22 de junho, o Imperador veio com comitiva e família para inaugurar a estrada de ferro “Minas and Rio”. Nesta ocasião, a princesa Isabel chegou a relatar que gostaria de chupar jabuticabas do pé, pois eram mais saborosas. O incansável Major Novais não pensou duas vezes. Mandou seus escravos arrancarem uma jabuticabeira e trazê-la até à beira da estação, para que assim Vossa Alteza Imperial pudesse satisfazer seus desejos.

O próprio Major Novais parecia ter uma admiração venerável pela família Imperial. Quando a Monarquia caiu e foi dado o golpe da República, o major ficou inconformado. Saiu da vida política e dedicou-se apenas à sua propriedade. Em sinal de protesto, resolveu fazer uma homenagem ao seu eterno Imperador. Deixou a barba crescer para parecer com o Imperador e foi visitá-lo na França, onde d. Pedro II estava exilado.

Enfim, Cruzeiro me forneceu várias histórias e causos, mas nenhuma certeza. Se alguém tiver uma luz para mim, por favor, entre em contato.

Anúncios

Quando a pesquisa te persegue

Deixe um comentário

Uma história interessante acaba de acontecer comigo. Vou contar-lhes nos mínimos detalhes.

Em 2009, antes de começar o curso de História na Universidade de Taubaté, fui a São José do Barreiro. Queria apenas passar um final de semana agradável, visitar alguns prédios históricos e me aventurar na Serra da Bocaina. Lá, tinha visitado o centro da cidade, tirado fotos de alguns casarões, conhecido a Igreja Matriz e feito um tour pela famosa Fazenda Pau D’Alho, que hospedou d. Pedro I, quando ia ao Ipiranga proclamar a Independência.
Conversando com a Marta, proprietária da pousada que fiquei hospedado, ela me indicou uma outra fazenda que ficava a 40 min. à pé, numa estrada de terra. Não sei daonde tirei coragem e fui, caminhando sozinho, debaixo de sol, pela estrada de terra. Cheguei à Fazenda São Francisco e logo fiquei encantado com tudo o que vi. Um casarão de 1813, restaurado e preservado plenamente. Os proprietários, seu Walton e dona Eliana, apaixonados por aquela fazenda, dedicaram largos anos na restauração da casa e na recuperação da história daquela local. Mobílias impecáveis, belíssimos quadros, pratarias, lustres e, principalmente, a estrutura da casa conservada como era no século XIX, sem modificações. Na parte debaixo da casa tinha um pequeno museu organizado com peças resgatadas ao longo do tempo pelo seu Walton e por dona Eliana. Lembro que na época me chamou a atenção o oratório que possuía o símbolo da Maçonaria escondido em seu interior.
Bom, eis que estou pesquisando para essa pesquisa que descrevo e vejo um vídeo do programa “Grandes Fazendas” do Canal Rural falando sobre esta fazenda. Comecei a assistir para matar a saudade. E aos 18 min e 45 seg do vídeo, olha o que é encontrei:
Ou será que essa peça do quebra-cabeça que estou montando é que me encontrou?